segunda-feira, agosto 08, 2011

O que virá depois?

Não há dúvida que somos, todos, bichos carregados de manias, com tiques mais ou menos nervosos. Com uma velocidade quase anómala, sem qualquer justificação plausível e sem fundamentação, deixamos de gostar do que gostávamos, para, agora, passarmos a gostar de coisas que não sabemos, muito bem, o que são e como são. Apenas gostamos. Muito ao estilo das crianças e ou de jovens em período de puberdade.
Em tempos idos, não muito, idolatravam-se os vinhos alentejanos. Eram o novo mundo dentro do velho mundo. Era a modernidade, o fim dos defeitos, o começo de uma nova época, o arranque da dinastia dos vinhos desenhados com preceito, sem falhas, redondos, sem aresta. 

Surge, entretanto, o Douro, com os seus vinhos de mesa opulentos, musculados, firmes e escuros. Agora sim, estávamos a par dos maiores do mundo. Não havia que ter medo, com o Mourinho nas adegas e o Cristiano Ronaldo engarrafado, podíamos jogar na liga dos grandes.

Pelo meio, nada de jeito. Dão, Bairrada, Verdes, Estremadura, Sado e restantes entretinham-se, por culpa própria, a lutar pelas sobras.
Pois bem, enfastiados, o povo conhecedor passou a falar de objectos diferentes. Cousas mais estranhas, segundo uns, cousas para intelectuais, segundo outros, esquecendo que algumas dessas cousas, salvo raras, muito raras excepções, comportam-se como puros alentejanos ou durienses.
Douro, Alentejo? Esqueçam isso, malta, que é cenário para imberbes. O que virá depois? Apostas?

15 comentários:

Miguel Pereira disse...

Rui, gostei de ler e concordo contigo. Ainda por cima, os preços dessas regiões mais badaladas são altos e é tão bom descobrir cousas tão boas ou melhores e bem mais barato. E isso falando dos nossos porque se formos lá para fora o prazer da descoberta e de sentir coisas novas faz-nos virar costas às estrelas portuguesas. Pena a oferta ser tão pequena e tão cara.

Pingus Vinicus disse...

Dizes "...se formos lá para fora o prazer da descoberta e de sentir coisas novas faz-nos virar costas às estrelas portuguesas. Pena a oferta ser tão pequena e tão cara."

É verdade, mas como sabes, PT não é exclusivo. É sintoma de país produtor, seja ele bom ou mau. Quer lá saber um italiano do vinho espanhol ou um francês do vinho californiano...não somos excepção.

Mas a questão, Miguel, para mim, é que andamos atrás de ondas, sem saber muitas vezes o que queremos. Tu sabes? Sinto, que queremos dar o ar de diferentes, quando não o somos.

Quem tem, entre nós, arcaboiço para falar com conhecimento de causa de coisas fora do main stream? Será porque conhecemos um, vá lá dois vinhos daqui ou dali...?

Em abono da verdade, parece-me que nos iludimos com muita facilidade.

Pingus Vinicus disse...

E como sabes nunca fui um dependente do Douro e muito menos do Alentejo :), só não papo com facilidade de que tudo agora em PT é uma merda, porque não é (acho eu). Preços? O vinho, tal como tanta coisa que compramos está sobrevalorizada e como tal não é excepção, mesmo que queiram dizer que é.

Nesta matéria, e independentemente do prazer que tenho pela enofilia, tento não desligar-me de toda a realidade, aliás nem podemos e nem se pode.

Miguel Pereira disse...

Rui, o mundo está em mudança e o vinho não é exepção. Vamos ser "forçados" a descobrir outras coisas (o que para mim é uma benção) mais "diferentes" e, não menos importante, mais "em conta"

Pingus Vinicus disse...

Sim claro, claro que sim. É sinal de globalização e eu não ando afastado dessas ondas, mas percebes, eu gosto de falar no geral e não no particular, que a média não é aquela onde vives, nem eu, nem outros, a média é igual em todos os lados. Por isso que digo que em PT não somos diferentes :)

João de Carvalho disse...

Mas no geral os consumidores tão-se borrifando para o que se faz de novo ou deixa de fazer, o vinho de consumo é o mesmo e raramente muda... pronto só quando a tia faz anos ou é dia de Natal é que se perde a cabeça e se compra um vinho de 5€.

Pingus Vinicus disse...

Mas somos diferentes dos franceses? Dos Italianos? Dos outros? Ou eles estão sempre à nossa frente, no geral, é claro? :)

João de Carvalho disse...

Se nem no mercado interno o vinho da tua terra é vendido na minha achas que alguém liga ao que se faz por cá em Itália , Espanha , França... ? A resposta é dada pela prateleiras de garrafeiras e hipers por esta Europa fora... o consumidor normal, comum, banal, está-se literalmente rentando para o que meia dúzia de "loucos do vinho diz produz ou pensa"

Pingus Vinicus disse...

Portanto, nós, no geral, não somos muito diferentes dos outros lá de fora certo? ;)

Antonio disse...

Certo

Pingus Vinicus disse...

Tinha essa ideia. É que aqui, existe uma corrente, parece-me, que advoga que lá fora o consumidor médio é mais esclarecido que o pt.

Antonio disse...

Convem esclarecer que so posso falar de França e de Portugal porque são o que conheço.

Aqui em França penso que o consumidor médio esta no mesmo patamar de conhecimento e intersse que o consumidor médio português.
Se falarmos de enofilos e em particular de quantidade de enofilos ai sim ja encontro uma grande diferença.
So a titulo de exemplo, se fores ao forum da RV, ao mesmo tempo que tu, ou estarão conectados um ou dois foristas ou ninguem. Enquanto que se for ao forum francês "La passion du vin", encontro la por vezes 100 pessoas conectadas em simultaneo.

Mesmo assim, aqui os enofilos tambem são uma minoria, so que somos muito mais do que ai.

Uma diferença nos enofilos é que aqui valorizam sobretudo o reflexo do terroir no vinho enquanto que ai poucos o fazem... Preferesse sobretudo barrica... Mas felizmente aos poucos isso estara a mudar.

Mesmo em produtores parece-me que falta ai cultura enofila...

Pingus Vinicus disse...

Sabes, António, num mercado muito pequeno como o de pt, será muito dificil que áreas como a enofilia, ou outras, tenham margem de progressão, é a velha questão de dimensão.

Quando se são poucos, por muitos que sejam são sempre poucos. Quando se são mais, mesmo que sejam menos, fica a ideia que são muitos. Confuso?

Antonio disse...

Não, não é confuso. E acho que tens toda razão no que disseste.

PS: Imagino que o que esperavas ja aconteceu. Parabens!

Pingus Vinicus disse...

Já António, dia 4 de Agosto às 20h.35m :)

2ª feira estarei em Gouveia para uns dias de descanso.