sábado, maio 21, 2011

Ossian vs Soalheiro Reserva? Venha o primeiro...

Diria que é uma luta de titãs, tais gigantes. Um pertence aos maiores de Portugal, o outro creio que não seja pequeno em Espanha.
Disse, uma vez, que são pormenores que influenciam a escolha. O detalhe resume-me, meramente, a uma questão de opção. Nada de ciência fundamentada. Ou um ou o outro.  Sem grelhas, nem itens, nem outras coisas mais. Simples empirismo. Façam, vocês, o mesmo e esqueçam aqueles que dizem o contrário. Uns já o são, os outros querem ser, mas não dizem.

Um dupla de respeito. Julgo que o Soalheiro Reserva terá sido estreia. O Ossian, não. Ambos da colheita de 2008. O nacional estava mais feito, mais apelativo, mais consensual. Para todos gostarem. O espanhol estava mais jovem, mais duro, menos conversador. Mais masculino. Como o rótulo sugiu tapado, e para agradar os detractores da causa nacional, a minha escolha pendeu para o espanholito.
Para quem anda atento aos preços, perceberá, facilmente, que são vinhos que passam a barreira dos 20€, num ápice.

4 comentários:

Simples disse...

O Soalheiro Reserva 2008 não é a estreia deste vinho. Em 2007 já havia e penso que não terá sido essa a 1ª colheita mas não me lembro qual foi.

Pingus Vinicus disse...

Disse que era a estreia para mim.

Emilio disse...

Ossian é um vinho biológico. Os vinhos biológicos tém forte personalidade; este é caro, mas nâo sempre sâo caros -lembro-me agora do Raya, que gosto muito dele e que tú também conheces, Rui-.
Dou mais informaçao aos teus leitores e digo-lhes que a adega "Ossian" fica na freguesía chamada Nieva (na provinça de Segovia). E muito perto ficam a adega "Viñedos de Nieva", do grupo "Martúe", e também o mosteiro de Santa María la Real de Nieva, com excelente pórtico gótico.
Esta é regiâo de muito bons vinhos brancos. "Viñedos de Nieva" fazia parte da DO Rueda, mas agora já nâo sei.
Saudaçoes,
Emilio

Pingus Vinicus disse...

Gracias Emilio :) Por acaso ando adiar a minha visita a Segóvia.
Sobre o Ossian, das vezes que provei gostei sempre muito dele. Muito mesmo!

Saudações