terça-feira, março 29, 2011

Continuo sem nada, de jeito, para dizer!

E lá continuo sem nada de jeito para dizer. Por isso virem a página e saltem para outros blogs. Neste momento, e porque não surge nada de interesse no horizonte, sou incapaz de traçar uma única linha que valha. Depois não quero voltar a cair no pote dos indeferenciados e replicar o mesmo. É o preço a pagar por esta estranha forma de estar. Longe de tudo e de todos.

Fico-me, para já, com uma modesta indicação. Bebi há pouco tempo o Niepoort Vintage 1997 e pareceu-me, salvo erro ou lapso, preparado para ser apreciado e consumido, neste momento. E como a vida anda estranha e o futuro não augura nada de bom, vale mais ir toldando a mona por forma que a coisa não seja, e não fique, mais dura ainda.

4 comentários:

Anónimo disse...

Já enjoa... Sempre os mesmos textos dizes tu... Não são os outros que metem sempre o mesmo... és tu...

Pingus Vinicus disse...

É verdade anónimo. Mas conhece-me para tratar-me por tu? Tire lá o anónimo diga como se chama! Simples

Brenda disse...

my spanish is a little hit or miss but i got the general idea. nice review from what i can tell and i have tried and really enjoyed this wine when i tried it last month for New Years

Hugo Mendes disse...

Brenda, Pingus is a Portuguese Blogger, and the languish he right in is Portuguese, lol.
Pingus,
Vês mesmo necessidade de pedir para deixar cair o anonimato? Eu não, até porque… o discurso soa-me muito, mas muito familiar! Tenho a sensação de já ter lido isso em algum lado!
A desvantagem de tocar na ferida é precisamente o ardor que provoca, assim como as queixas… é largar ou aguentar!
Forte abraço
HM