quarta-feira, maio 05, 2010

Colomé Malbec 2006

É outro que conhecia, apenas, através da literatura. Parece que tem a particularidade de ser proveniente de vinhas plantadas em grande altitude. Segundo consta, ou segundo a história contada, são as mais altas do mundo. De grosso modo, serviu para enriquecer o meu portefólio enófilo.

O vinho, esse, largava intensos aromas a frutos pretos ou, seguindo a moda, frutos azuis. Frutos, esses, temperados com especiarias. Talvez cravinho, talvez alcaçuz e talvez pimenta. Continuando com o talvez, começo acreditar que todos aqueles que falam sobre vinho alicerçam o seu conhecimento seguindo a lógica do quiçá. Ter certezas, neste meio, é uma enorme carga de trabalhos. A subjectividade que a análise de vinho encerra é quase desmedida. Uma fé.
Continuando, fiquei, ainda, com a ideia que havia, por ali, canela, café e baunilha. Uma panóplia de aromas muito novo mundista.
O sabor é amplo, com chocolate e tostados. Consegue ser seco e fresco. Peca, no entanto, por insistir, em demasia, no mesmo timbre, acabando por tornar-se unidirecional.
Um tinto demasiado limpo e sem arestas, fazendo supor que tinha sido feito por medida.  Nota Pessoal: 16

2 comentários:

Antonio disse...

A semana passada, numa prova organizada por um colega que vende vinho do Chile, provei o Caballo Loco N°9, vinho segundo dizem dos melhores do Chile. Nao me convenceu muito, "talvez" por ser um pouco como esse, ou seja muita maquilhagem de madeira e pouca alma.

PS: eu utilizo muito o "talvez" quando chamado a dar uma opiniao sobre um vinho... Infelizmente a minha experiencia, por enquanto e por muito que me esforce, nao da ainda para ter certezas...

Pingus Vinicus disse...

António eu ando sempre no "talvez", são tantas as minhas dúvidas.

Um forte abraço