quinta-feira, fevereiro 07, 2008

Simples Questões

Como consumidor puro e duro, faz-me enorme confusão observar algumas discrepâncias que existem em determinados portefólios. Conseguem apresentar vinhos que vão desde o mau ao muito bom. Entre estas duas barreiras surge um conjunto de opções que são catalogadas das mais diferentes maneiras: Colheita, Colheita Seleccionada, Reserva, Super Reserva, Reserva Especial (sem falarmos nuns quantos varietais que surgem pelo meio). Haja imaginação. Depois, a confusão aumenta quando reparamos que entre um Reserva, um Super Reserva ou um Colheita Seleccionada as diferenças são, em muitos casos, mínimas. Reparamos, apenas, que os ganhos (falo naturalmente de prazer enófilo) não são directamente proporcionais ao custo. A grande diferença cifra-se, apenas, no preço.

As questões que lanço são simples e reflectem a minha confusão enófila.
  • Existem tantas uvas disponíveis que permitem criar sistematicamente vinhos com epítetos diferentes?
  • O que ganhamos com vinhos que, em muitos casos, não têm continuidade em colheitas posteriores? Servem, apenas, para alimentar um nicho de consumidores elitistas e com capacidade financeira?
  • Em alguns casos, notaram decréscimo de qualidade de determinado vinho em detrimento de outro?
  • Um rótulo que mencione Reserva, Grande Escolha, Colheita Seleccionada,... ainda influência o consumidor?

8 comentários:

Copo de 3 disse...

Para te ser sincero, penso que nomes como Reserva ou Gran Reserve são nomes que se deveria ter algum respeito na maneira em como se utilizam.

Deveriam ser nomes que viessem dar alguma fiabilidade ao consumidor na hora da compra... saber quem está diante de um vinho com um esperado nível de qualidade.

Mas comigo raramente acontece em Portugal, sigo apenas com respeito devido as Reservas que fazem história ao longo dos anos... ou outros são efémeros e muitas vezes enganadores. Já se chama reserva, super reserva, mega hiper super reserva, colheita seleccionada, escolha do enólogo, cuvee especial, reserva especial, e até mesmo o nome Garrafeira símbolo de vinhos de culto que se olhavam com respeito se ve nos dias hoje profanado com Garrafeira Especial etc etc...

A bandalheira é tal que não devemos comparar com os exemplos lá de fora, onde por exemplo sei que um Gran Reserva em Espanha será sempre um Gran Reserva e um Reserve em França será sempre um Reserve.

Pedro Sousa P.T. disse...

Concordo totalmente com o termo "bandalheira" utilizado pelo copod3, no conteúdo destas questões.
Em minha opinião, é o espelho da falta de nível empresarial e comercial deste País que temos, ou seja é a cultura do ganhar tudo hoje, não olhando a meios.
Um abraço.

Wine Connections disse...

Embora a utilização desses termos varie muito conforme região demarcada, também me parece haver um certo desleixo na sua organização em todo o país.
Os espanhois aqui ao lado tem regras mínimas bem definidas para cada uma das categorias de vinho que se pretende (embora também haja variações regionais. (Crianza: estágio mínimo 24 meses com 6 de barrica | Reserva: Branco - 24m, 6barrica, Tinto - 36m, 12barrica | Gran Reserva: Branco - 48m, 6barrica, Tinto - 60m, 24barrica)
Embora não concorde com a regra espanhola "quanto mais madeira melhor", pelo menos é uma regra, sempre é melhor que cá.
Cá cada região tem as suas regras e nenhuma delas funciona direito. Mais valia tentar uniformizar um pouco o modo como são dadas estas categorias ao vinho, para o público poder saber melhor o que está a provar.
Bom blog.
Estou a tentar começar um, diz-me o que achas.

AJS disse...

Para além da falta de nivel empresarial, apontada pelo Pedro Sousa, penso que é espelho da dificuldade do mercado que dada a inundação de constantes novos vinhos obriga à fuga para frente. Talvez fosse mais correcto para os consumidores criarem uma segunda marca, ainda que associada à primeira em vez desta situação enganadora. Até já existem "Reservas" de linha branca das grandes superficies a 3€ +/-.AJS

Kroniketas disse...

O "colheita seleccionada" quer dizer o quê quando o encontramos (Monte das Servas e Cabriz, por exemplo) no vinho de entrada de gama? Rigorosamente nada. É só para compor o nome e torná-lo mais pomposo.
O "reserva", em princípio, deverá (deveria) ser sempre um vinho de qualidade superior do produtor, mas qual é a regra para que possa ter esse epíteto?
A única que conheço é a do "garrafeira", que tem de ter, salvo erro, um mínimo de um ano em garrafa e só sair para o mercado 3 anos após a colheita. Penso que é isto, pelo menos aí o consumidor sabe ao que vai. Quanto ao resto, é absolutamente arbitrário.

Pratas disse...

No caso do Monte das Servas, o Colheita Seleccionada representa na mesma um vinho sem estágio em madeira, mas que é elaborado com as melhores uvas da colheita. As restantes uvas vão para o Monte das Servas e para o Vinha das Servas.

rui disse...

Caro Pingus,

para nós, informados que nos dedicamos com mais afinco a esta coisa do vinho, as designações no rótulo tem pouca ou nenhuma influência. Até pq, como foi aqui dito, não se consegue mapear objectivamente um epíteto com um método de vinificação ou estágio de engarrafamento (como em Espanha, por exemplo).

Mas os produtores continuam a utilizar este expediente: constantes novidades, profusão de gamas e designativos nos rótulos. E porquê? Porque acredito que, e devem provar os números das vendas, resulta (por redução ao absurdo, se não resultasse, não o faziam). E resulta maioritariamente no mercado de grande consumo (como é evidente o Batuta não precisa do designativo do "colheita seleccionada", pelo que não acredito que os tais epítetos sejam para alcançar os mais elitistas). E esse é o mercado menos informado em que rótulo e o preço (ver artigo http://afp.google.com/article/ALeqM5hqL8LDgnvsSAG5kGbqyAJ_11LwWg) são determinantes.

Os outros países utilizam os animais e as cores berrantes, a nós calhou-nos os designativos delirantes a provar o povo criativo que somos. :)

Um abraço,
RC

Pingus Vinicus disse...

Aqui entre nós, que valor possui uma colheita sem continuidade? Serve apenas para alimentar a tal elite recheada? Valerá a pena falar nela?