terça-feira, setembro 26, 2006

O Reserva do Altas Quintas

Não há muito tempo um amigo bloguista dizia-me: "se o Alentejo começa a fazer vinhos em altitude, ainda começas a gostar de vinhos alentejanos". E o alentejano Altas Quintas começa a tornar-se um caso sério, no que diz respeito às minhas escolhas pessoais. Os ares das montanhas, das serras só fazem bem.
Depois de ter já conhecido o Altas Quintas normal, meti conversa com o Reserva 2004.
O estilo mantêm-se. Muito floral. Um autêntico ramo cheio de flores. Agora é só colocarmos a imaginação a funcionar e escolher aquelas que mais apreciamos.
Não sendo um vinho branco, é refrescante. A fruta mostra personalidade silvestre. Leva-nos para dentro de um bosque, para sentirmos a terra húmida, os cedros, os fetos, as cascas de árvores. No regresso da viagem aquece-nos o espírito com cacau amargo, com folhas de tabaco, com charutos.
Na boca super elegante. Todo ele milimetricamente projectado. Cada ponto de partida vai de encontro a um ponto de chegada bem preciso, sem qualquer desvio. Muito melhor que as bombas inteligentes dos norte-americanos, que são mais conhecidas pelos seus efeitos colaterais.
O sabor que me transmitiu estava cheio de qualidade. Fê-lo através da subtileza, sem o recurso a um comportamento mais brusco ou bruto. Calmo, discreto, sem esmagamentos da boca ou da alma. Longo nas recordações que nos deixa.
Um estilo que adoro, que gosto e que raramente encontro nos vinhos da grande planície. Um vinho que, para mim, demonstra o que é ser verdadeiramente elegante e complexo.
Nota Pessoal: 17,5

9 comentários:

eduardo lima disse...

Caro Rui,

Nunca li mais acurada, sensorial e fotográfica descrição de um vinho.
Sobre os alentejanos das terras altas, fica a pergunta: como é possível melhorar o que já é perfeito?

Grande abraço,
Eduardo

Copo de 3 disse...

Colocando uma rolha de cortiça :)

Nuno de Oliveira Garcia disse...

...de origem nacional.

N.

Pingus Vinicus disse...

Eduardo, quando um vinho não nos faz viajar, algo está mal.

Ele tem que nos dizer alguma coisa. Tem que contar histórias, tem que nos fazer imaginar, tem que nos dar prazer...

Um abração
Rui

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Caro Rui Miguel

Acabo de ser presenteado com 6 garrafas destas. Vou em principio comprar este vinho para a YH. Em tua opinião este vinho bem guardado vai melhorar?

Um abraço

Zé Tomaz

Pingus Vinicus disse...

Caro Zé Tomaz desculpa não ter respondido ao teu post.

Epá que grande sorte! Prova uma botelha e vai guardando ele merece.

É um vinho de grande elegância.

Um abraço
Rui Miguel

João Barbosa disse...

tenho-o cá para provar, mas como o «normal» me agradou bastante achei que tenho de ter companhia à altura para abrir este. Ando a adiar a abertura, mas as informações recolhidas são animadoras.

Pingus Vinicus disse...

Caro João Barbosa tem mais sorte que eu. A minha garrafeira continua com um lugar disponível para um Altas Quintas Reserva. Que belo vinho. Eu gosto muito.

Rui disse...

Tive ontem um jantar com amigos e tive o prazer de experimentar, por sugestão de um dos convivas, o Altas Quintas Reserva 2004.
Experiência fantástica! Fiquei fã.
Tanto que já encomendei uma caixinha de 6 para aquela ocasião especial.